GIFFTÁLOGO 1


GIF + CATÁLOGO do primeiro Gira_Circuito Itinerante de Performance.


O primeiro circuito ocorreu em Fevereiro e Março de 2018, pelas ruas de São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro, durante 4 sextas-feiras.
Iniciou no dia 23 de fevereiro Fernando Hermogenes na Praça Zé Garoto (centro), no dia 02 de março, Mariana Maia, em ruas pelo centro. dia 09, Hugo e Ina na Praça Zé Garoto E rastros de diógenes em Alcantara, finalizando dia 23 de Março, pelo centro com Nicolle Longobardi, Ia Bahia e Ismael Trabuco!
(na foto, O conto de um Velho, ação de Ina e Hugo na Praça Zé Garoto, Centro de São Gonçalo)

Gratidão a todos os envolvidos!
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>


CORPO MARCADO, 2015-2018

Meu corpo é marcado!
Meu corpo é marcado!
Meu corpo é marcado!

Nossos corpos são marcados!
Nossos corpos são marcados!
Nossos corpos são marcados!

Corpo noturno, silencioso, audacioso.
Voa de muro em muro.
Na companhia de medos.

No frio concreto deixa marcas.
O traço rasga a dureza da cidade.
Silhueta escarlate,
Lembrança,
Herança.
Memórias de corpos que caminham e jazem.

Na noite fria encontro minha cama
Muro, calçada, chão, rua.
Cidade tingida de vermelho.
Um grito alto, visceral.

Meu corpo é marcado!
Meu corpo é marcado!
Meu corpo é marcado!

Nossos corpos são marcados!
Nossos corpos são marcados!
Nossos corpos são marcados!

(Mariana Maia, 2017)

"Corpo Marcado" é um projeto de grafite e performance. Foram realizados diversos grafites-performances no estado do Rio de Janeiro, muitas vezes com audiência espontânea, utilizando a fotografia como estratégia de documentação das ações. A performer utiliza seu próprio corpo como molde ou estêncil. Outro artista grafita a forma do corpo da performer na parede. O resultado final é uma silhueta em vermelho. Dentro das silhuetas são grafitados nomes de mulheres mortas pela violência.
O trabalho possui semelhança estética e ideológica com trabalhos de Ana Mendieta, artista afro-cubana. Como nas Siluetas (1973-1980) de Ana Mendieta, a forma do corpo feminino adere a paisagem. Mendieta utiliza diversos tipos de solos e diferentes materiais. Abordando, entre outras questões, o transito da própria artista entre Cuba e Estados Unidos. "Corpo Marcado" também propõe o transito, mas não por áreas naturais, e sim pelos muros da cidade, testemunhas silenciosas da ferocidade. Utilizando diferentes materiais, Mendieta faz referência, por exemplo, a violência, a religiosidade da Santeria ou questões políticas. "Corpo Marcado" utiliza a grafia urbana das pichações e muros decadentes, denunciando que esses corpos pertencem a um lugar marginal, periférico, muitas vezes, esquecidos. Essas silhuetas, lembranças de corpos, são marcadas desde a época da escravidão, mas se erguem, apesar da adversidade, reexistindo. De braços abertos, não em um gesto de entrega, mas sim como um desafio. Nossos corpos são, também, sagrados, e mesmo marcados tomam a cidade, são a cidade vermelha.
Todos os anos, centenas de mulheres são vítimas de agressões fatais no Brasil. Seus nomes entram para as estatísticas e são esquecidos. O projeto reescreve corpos e nomes de mulheres nos muros e paredes da urbes. "Corpo Marcado" grafa com o spray as cicatrizes das diversas vidas perdidas, trazendo a tona a memória da crueldade contra a mulher.


"Gostamos muito do evento, porque contemplou um público muito interessante para nosso trabalho, um público que nunca tínhamos alcançado, que não estava procurando assistir ou fazer parte de um acontecimento artístico na praça, mas acabou sendo. Horizontalmente, próximos ao chão como nos terreiros brasileiros de umbanda e candomblé, assistimos aos pré-adolescentes desconfiados em suas bicicletas fazendo ronda na área, ao posso que fomos agraciados com os olhinhos dos jovens e adultos, que ganhavam brilho com algumas pegadinhas do Velho. Foi fundamental para nós ter contato com os coletivos Balaio e Mundé, pois sempre quizemos conhecê-los mais de perto, uma vez que dialogam muito com o meio urbano. O GIRA mostrou, desde o facebook à praça, forte caráter político, mas também afetivo e efetivo, possibilitando que continuássemos a tecer nossa performance pela primeira vez em um espaço público. Somos muito gratos por conhecer os mediadores Nicolle e Diógenes, que entraram no clima do nosso trabalho, sendo muito parceiros e amigos para que esse encontro acontecesse da melhor forma.
Abraços fraternos,"
Hugo Costa e Ina. - O conto de Um Velho.



Iá Bahia_Desnorte 2




Fernando Hermogenes_Trabalho de Chuva
Na fação de queimar café, café não foi queimado.
Queimar não foi verbo.
Queimar não foi ação.
Queimar não foi atitude.
Queimar não foi.
Queimar não queimou.
Queimar não existiu.
Queimar não foi foto-grafado.
Queimar não Fação.
Queimar não.
Que? Imar.
Que mar!
Mar de chuva
Chuva in mar
Maruva
Trabalho na chuva



Fernando Hermógenes

2018





Nicolle Longobardi_Remenda Uma



Ismael Trabuco - Ação com Facas e Poesia



fev.mar de 2018

corpografia